>

Qualicorp explica

Pesquisar Artigos
  • O que é o transtorno bipolar do humor

  • Saiba mais.
  • Publicado em: 17/06/2014 10:12

Transtorno bipolar do humor tem tratamento

Antigamente, o transtorno era conhecido como psicose maníaco-depressiva, mas o termo caiu em desuso e hoje o mais adequado é transtorno bipolar do humor. Trata-se de um transtorno psiquiátrico mental que se caracteriza por estados de mania e de depressão, onde as avaliações da pessoa afetada passam a ser hiperdimensionadas.

Segundo o psiquiatra Wimer Bottura Jr., isso causa um impacto muito grande, como, por exemplo, na vida econômica das pessoas que sofrem do transtorno. Muitas empresas quebram em função da bipolaridade do dono. Tanto devido a planos pessimistas quanto a planos exageradamente otimistas.

A pessoa pode apresentar uma ciclagem rápida durante um mesmo dia, alternando os estados de euforia e depressão. Ou os períodos podem durar meses, até anos. Sendo que o transtorno geralmente se manifesta cedo, desde a infância até a adolescência.

As pessoas afetadas superdimensionam as coisas, dramatizam ou mitigam algum problema. Há uma questão séria de dimensionamento. Nada é problema ou tudo é problema. Mas é preciso ter cuidado para não rotular a todos de bipolar. Os sintomas não são como os de uma reação normal à dor de uma perda, por exemplo.

O quadro pode evoluir agravando-se muito se o transtorno não for tratado, não sendo raro o suicídio. Além do sofrimento da perda, as consequências materiais podem ser graves para a família, pois muitas vezes ela herda dívidas enormes advindas do problema de dimensionamento da realidade do portador.

Mas os danos não são só materiais, há um custo emocional muito grande para aqueles que convivem com uma pessoa com o transtorno bipolar de humor, alerta o especialista.

Causas do transtorno bipolar

O transtorno bipolar do humor não tem uma causa definida. É uma alteração química e pode ter um traço genético, além de ser muito mais frequente do que se imagina. Mas entre os fatores que influenciam o seu surgimento, o aspecto genético é o mais importante.

Diagnóstico do transtorno bipolar

Somente um especialista pode diagnosticar o transtorno bipolar. Mas muitas vezes ele não é reconhecido como doença e as pessoas podem portar a condição por anos antes do diagnóstico correto e do tratamento.

O diagnóstico diferencial deve ser feito com base na história pessoal, pois no transtorno bipolar, os quadros são agudos e seguidos por períodos de depressão ou de remissão. Além disso, deve ser levado em conta o histórico familiar, pois, com frequência, podem ser identificados quadros de mania e depressão nas famílias.

Sintomas do transtorno bipolar

É aceita a divisão do transtorno bipolar do humor em dois tipos: o tipo I e o tipo II. Sendo que o tipo I é a forma clássica em que o paciente apresenta os episódios de mania alternados com os depressivos.

Os sintomas variam dependendo do humor: a mania (euforia) é caracterizada pelo humor para cima, exaltação, alegria exagerada e duradoura, agitação, insônia, diminuição da necessidade de sono etc.

Já a depressão é caracterizada por humor depressivo ou perda de interesse ou prazer, tristeza, vazio, irritabilidade, fadiga ou perda de energia, sentimento de falta de esperança ou de culpa excessivo, pensamentos de morte ou suicídio etc.

A pessoa pode apresentar uma ciclagem rápida durante um mesmo dia, alternando os estados de euforia e depressão. Ou os períodos podem durar meses se não forem tratados.

Tratamento do transtorno bipolar

O tratamento é feito com substâncias estabilizadoras do humor. O mais importante é o carbonato de lítio. Não existe nenhum medicamento que só tenha efeitos benéficos, mas o tratamento medicamentoso é indispensável, explica o psiquiatra.

Muitas vezes a pessoa acha que está “curada” e abandona o tratamento. Mesmo quando está em uma fase ou em outra do transtorno. Pois, se está deprimido, acha que nada importa. E quando está eufórico, que tudo está ótimo. Nesse sentido, a informação é muito importante, tanto para quem sofre do transtorno como para seus familiares, conclui.


Outras referências:
http://www.abtb.org.br/index.php
http://www.mayoclinic.com/health/bipolar-disorder/DS00356