>

Qualicorp explica

Pesquisar Artigos
  • Os sintomas da síndrome do ovário policístico

  • Saiba mais.
  • Publicado em: 05/08/2014 15:47

A síndrome do ovário policístico (SOP) é uma das maiores causas de infertilidade entre as mulheres. Na doença, há uma produção excessiva de hormônios andrógenos, também conhecidos como hormônios masculinos, junto com alterações em outros níveis hormonais. Os andrógenos estão presentes nas mulheres em quantidades diferentes dos homens e ajudam a regular o desenvolvimento normal dos óvulos.

O ginecologista José Bento explica que o principal problema que este desequilíbrio hormonal provoca está relacionado com a ovulação. Normalmente, o folículo atinge um estágio em que arrebenta e expele o óvulo. No entanto, na síndrome a mulher não ovula porque lhe faltam condições endócrinas para tanto.

Então, como mais ou menos dez folículos se desenvolvem todos os meses, vão se formando pequenos cistos em todo o ovário, que aumenta de tamanho causando dor. A síndrome começa na puberdade e vai até a menopausa. Alguns casos tornam-se assintomáticos com o tratamento, mas é uma doença crônica.

Cerca de metade das mulheres que manifestam a síndrome têm produção exagerada de insulina. As restantes apresentam um problema no hipotálamo, na hipófise, nos ovários ou nas suprarrenais e produzem mais hormônios masculinos do que o normal.

A insulina encontra uma célula receptora que não responde bem e não consegue acumular glicose. Daí o nível da glicose sobe no sangue e o pâncreas é estimulado para produzir mais insulina.

Esse defeito no receptor de insulina é de origem genética e sua manifestação, às vezes, está associada à obesidade, que piora as condições para a ação da insulina. A paciente começa, então, a ter perturbações menstruais e aumento dos pelos, mas esses sintomas tendem a regredir com o emagrecimento.

Sintomas da síndrome do ovário policístico

O sintoma mais comum é a alteração do ciclo menstrual. O fluxo fica menor e a menstruação, mais escassa. É comum mulheres com ovários policísticos terem apenas dois, três ou quatro episódios menstruais por ano. Outro sintoma é o aumento de pelos no rosto, nos seios e na região mediana do abdômen. A obesidade também é um sintoma frequente, bem como a acne.

Quando o andrógeno atua sobre o sistema pilossebáceo, aumenta a produção de pelos e de material oleoso pelas glândulas sebáceas, o que facilita a instalação das infecções características da acne. Por isso, é importante que a causa da acne em adolescentes seja pesquisada, alerta o especialista.

Diagnóstico da síndrome do ovário policístico

O diagnóstico da doença ficou muito facilitado com o emprego do ultrassom. Os ovários policísticos são visualizados por meio do exame de ultrassom ou no de toque realizado no exame ginecológico de rotina.

Às vezes, diz o ginecologista, basta examinar a paciente para localizar os dois ovários aumentados. O ovário policístico chega a ter o dobro do volume. Além disso, fica coberto por uma capa branca semelhante à albugínea que envolve o testículo e os cistos formam uma saliência na superfície.

Tratamento da síndrome do ovário policístico

Exercícios físicos e alimentação balanceada são importantes no tratamento da síndrome dos ovários policísticos, principalmente quando ela está ligada ao excesso de peso e à síndrome metabólica. Às vezes, só a perda de peso provoca a reversão do quadro, porque a obesidade gera resistência à insulina e essa resistência produz o aumento de andrógenos, os hormônios masculinos.

Se ela não for obesa, torna-se necessário diminuir a produção dos hormônios masculinos e uma das maneiras mais simples de fazê-lo é por meio da pílula anticoncepcional, pois ela deprime a função ovariana e, portanto, diminui a produção de hormônio masculino.

Já as mulheres que estão tentando engravidar, o médico pode indicar um remédio para estimular a ovulação. Mulheres com resistência à insulina podem fazer uso de medicamento para corrigir distúrbios metabólicos envolvidos. De qualquer maneira, é importante ter sempre acompanhamento médico, pois é uma doença crônica.


Outras referências:
http://www.minhavida.com.br/saude/temas/sindrome-do-ovario-policistico
http://www.endocrino.org.br/10-coisas-que-voce-precisa-saber-sobre-sindrome-dos-ovarios-policisticos/
http://www.gineco.com.br/saude-feminina/doencas-femininas/ovarios-policisticos/