>

Qualicorp explica

Pesquisar Artigos
  • Toxoplasmose

  • Saiba mais.
  • Publicado em: 04/11/2014 15:39

A toxoplasmose é uma doença infecciosa, também conhecida como “doença do gato”, causada por um protozoário chamado Toxoplasma gondii. Ela é transmitida aos seres humanos e a outros animais através das fezes do gato contaminadas pelo protozoário.

Segundo o infectologista Jorge Figueiredo Senise, da Associação Brasileira de Infectologia, as pessoas podem adquirir essa infecção por três vias:

1. Ingestão de oocistos (cistos do protozoário) que vêm do solo, areia, latas de lixo contaminadas com fezes de gatos infectados;
2. Ingestão de frutas e verduras mal lavadas, carne crua ou mal cozida infectadas, especialmente carne de porco, boi e carneiro;
3. Através de infecção transplancentária, (na placenta da gestante) ocorrendo em 40% dos casos dos fetos de mães que adquiriram a infecção durante a gravidez.

O período de incubação, que é o tempo entre o contagio e o aparecimento dos sintomas acontece de 10 a 23 dias, quando a fonte for a ingestão de carne. Agora se a fonte for a ingestão de oocitos de fezes de gatos, o tempo de incubação é de 5 a 20 dias.

A toxoplasmose não passa de uma pessoa pra outra, com exceção de infecções intrauterinas (quando a gestante está com a doença, e passa para o feto).

Sintomas:

A toxoplasmose pode aparecer tanto sem nenhum sintoma quanto provocando quadros graves no miocárdio (parede do coração), fígado e músculos, encefalite (inflamação aguda no cérebro) e exantema másculo-papular (vermelhidão pelo corpo em forma de pequenas manchas).

No caso de haver sintomas, os principais são:
• Cansaço;
• Dores no corpo;
• Febre;
• Machas pelo corpo,
• Linfadenopatia (ínguas espalhadas pelo corpo);
• Lesões na retina;


Os parasitas da toxoplasmose se multiplicam e atacam todos os órgãos através do sangue, provocando infecção generalizada. Consequentemente, acabam surgindo deficiências neurológicas, inflamações nos olhos, complicações musculares, hepatites e inflamação no pâncreas.

Além disso, o infectologista alerta que para as gestantes é muito importante fazer o exame de toxoplasmose no pré-natal. Caso o resultado seja negativo, indica que a mulher nunca teve contato com o parasita. No entanto isso é preocupante, porque se ela se infectar durante a gestação, a criança nascerá infectada.

Por isso é recomendável que a mulher não vá a lugares em que tenham gatos e também que ela não coma carne crua ou mal passada, verduras e cascas de frutas, para evitar que adquira a infecção durante a gravidez. No entanto, se no exame constatar um resultado positivo de toxoplasmose antiga e curada, isso traz tranquilidade total, porque a mulher está protegida contra a infecção e não irá adquiri-la outra vez.

Em pessoas debilitadas imunologicamente, como é o caso de pessoas com AIDS ou outras doenças que provocam baixa imunidade, a toxoplasmose pode apresentar outros perigos.

A pessoa que tem baixa imunidade não consegue mais reter o parasita dentro dos cistos residuais e o protozoário volta à atividade sem encontrar barreiras. E, por não encontrar, agride o organismo de forma drástica: afeta o sistema nervoso central, o pulmão e o coração provocando doenças como encefalite, pneumonite e miocardite.
Se essas doenças não forem identificadas e tratadas precocemente, poderão trazer graves consequências.

Tratamento:

De acordo com Senise, a toxoplasmose é assintomática (não apresenta sintomas) em 80 ou até 90% dos casos. No entanto, quando há a presença de sintomas, o tratamento é feito através de medicamentos indicados por um infectologista.

Prevenção:

Para se prevenir da toxoplasmose, o indicado é não ingerir carne crua ou mal passada e só consumir frutas e verduras bem lavados e esterilizados. Além disso, é importante evitar o contato com fezes de gatos.


Referências:

ABP - Associação Brasileira de Infectologia

Biblioteca Virtual do Ministério da Saúde
Portal MedicinaNET
Doutor Drauzio Varella


Dados do especialista:

Jorge Figueiredo Senise (CRM: 36862) é infectologista da Associação Brasileira de Infectologia, doutor em Infectologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e atua há mais de 30 anos nesse ramo. Possui experiência na área de Medicina, com ênfase em Doenças Infecciosas e Parasitárias.