>

Qualicorp explica

Pesquisar Artigos
  • Amamentação pode reduzir risco de infarto e AVC

  • Saiba mais.
  • Publicado em: 04/08/2017 14:42

Dr. Kalil Explica 04. Ago. 2017

Amamentar não é um ato benéfico apenas para os bebês, mas também para as mães. Uma pesquisa publicada no periódico da Associação Americana do Coração (AHA) mostra que o aleitamento pode reduzir, em longo prazo, o risco de infarto e acidente vascular cerebral (AVC) nas mães.

Estudos anteriores mostraram que mães que amamentam já tinham vantagens imediatas, como perda de peso, redução do colesterol, da pressão arterial e da glicemia depois da gestação. Os efeitos futuros do aleitamento, no entanto, ainda não eram claros. O novo estudo, feito na China, descobriu que mulheres que amamentam seus bebês têm um risco 10% menor de ter infarto ou AVC.

Pesquisadores da Universidade de Oxford, da Academia Chinesa de Ciências Médicas e da Universidade de Pequim analisaram dados de 289.573 mulheres chinesas (com idade média de 51 anos). Depois de oito anos do início da pesquisa, houve 16.671 casos de doenças coronárias - incluindo infartos - e 23.983 casos de AVC.

 
  Ainda não possui um plano de saúde?
Clique e encontre as melhores opções para você.
 

Os pesquisadores observaram que as mães que amamentaram seus bebês tiveram um risco 9% menor de doença cardíaca e um risco 8% menor de AVC em comparação às que não amamentaram. Além disso, descobriram que entre as mães que amamentaram por dois anos ou mais, o risco de doença cardíaca foi 18% menor e o de AVC, 17% menor. Seis meses adicionais de lactação foram associados a um risco 4% menor de doença cardiovascular e 3% menor de AVC.

Os pesquisadores consideraram também uma série de fatores de risco para doenças cardiovasculares, como tabagismo, pressão alta, obesidade, diabetes e atividade física, que poderiam levar a resultados tendenciosos.

"Embora não possamos estabelecer os efeitos causais, os benefícios da amamentação podem ser explicados por um restabelecimento mais rápido do metabolismo da mãe após a gravidez", explica Sanne Peters, pesquisadora da Universidade de Oxford no Reino Unido.

De acordo com a especialista, a gravidez altera dramaticamente o metabolismo da mulher, pois ela armazena gordura para fornecer a energia necessária à gestação do bebê e também para o aleitamento. "Amamentar pode eliminar a gordura armazenada de forma mais rápida e efetiva", explica.

Além disso, os pesquisadores observaram que as mulheres que amamentam tendem a ter comportamentos mais saudáveis do que as que não amamentam, e isso também reduz o risco de eventos cardíacos.

"As descobertas devem incentivar o aleitamento para o benefício da mãe e da criança", diz Zhengming Chen, autor do estudo e professor de epidemiologia na Universidade de Oxford. "O estudo apoia a recomendação da OMS de que as mães devem amamentar seus bebês exclusivamente durante os primeiros seis meses de vida."

A Associação Americana do Coração sugere a amamentação durante 12 meses, se possível.

Revisão técnica

  • Prof. Dr. Max Grinberg
  • Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
  • Autor do blog Bioamigo

Fonte: site Coração e Vida, produzido com a curadoria do cardiologista Dr. Roberto Kalil Filho.

Abrir