>

Qualicorp explica

Pesquisar Artigos
  • Por uma lancheira mais cheia de frutas e legumes

  • Saiba mais.
  • Publicado em: 09/10/2017 16:53

Dr. Kalil Explica 09. Out. 2017

E na hora de montar a lancheira para a escola, o que os pequenos mais gostam de adicionar? Provavelmente poucos diriam frutas. Menos ainda responderiam legumes. Mas introduzir esses alimentos no lanche escolar da criançada pode não ser tão difícil - vale só pensar em alguns aspectos antes.

Boa nutrição começa na lancheira

A nutricionista Paula Hertel explica, para começar essa aula sobre alimentação, por que as frutas e legumes precisam fazer parte do cardápio diário.

"Frutas são importantes, pois são fontes de energia: contêm água, fibras, vitaminas e minerais, que desempenham um papel fundamental no desenvolvimento infantil", diz.

Já quanto aos legumes, eles são fontes de vitaminas, minerais e fibras - e devem ser consumidos de forma variada, pois o perfil nutricional varia de acordo com o alimento.

"Alimentos de cor alaranjada, por exemplo, são fontes de betacaroteno [pró vitamina A]", explica Paula.

A recomendação normal para uma criança saudável é comer de três a quatro porções desses alimentos todos os dias. Mas como fazer isso (diriam aqueles pais de filhos nada chegados em frutas e legumes)?

A nutricionista indica que, na hora de preparar uma refeição - ou, no caso, a lancheira escolar -, vários fatores importam. A apresentação, por exemplo: tornar as frutas mais atraentes, cortando em um formato divertido ou mesmo como uma salada de frutas, pode despertar mais vontade. Oferecendo com iogurte e cereais ou fazendo uma vitamina também.

Outro ponto é a insistência. "Se a criança recusar determinado alimento, procure oferecer de novo em outras oportunidades", lembra Paula. "São necessárias, em média, oito a dez exposições a um novo alimento para que ele seja aceito por uma criança."

 
  Ainda não possui um plano de saúde?
Clique e encontre as melhores opções para você.
 

Oferecendo outras vezes, inove: a cenoura pode aparecer no formato "baby", cortada em "moedinhas", talvez ralada em um sanduíche ou mesmo cozida (para ficar mais tenra).

Outra mudança que ajuda bastante a atrair os pequenos é pedir a participação deles no preparo dos alimentos; convidar para montar a lancheira, deixando criar um recheio para o pão ou arrumando as frutas, desperta mais interesse. E vale sempre aquela dica de combinar com as crianças que elas precisam experimentar antes de dizer que não gostam de determinado item.

Exemplo

Paula Hertel lembra sobre um fator que influi muito na escolha das crianças: o exemplo em casa. Muitos pais, na tentativa de criar bem os filhos, fazem questão de que eles comam todos os legumes e frutas do prato; mas se eles próprios forem adeptos das frutas, verduras e legumes diariamente, fica muito mais simples introduzir o hábito (e não ver nariz torcido ao abrir a lancheira e dar de cara com uma maçã ou uma pera).

"Frutas e legumes devem sempre ser estimulados, consumidos na forma de salada, de suco, na receita de um bolo. Todos - legumes, verduras e até frutas - podem ser adicionados em um sanduíche talvez", pontua a nutricionista.

Por exemplo: beterraba ou cenoura podem virar patê, assim como tomate, alface e abacate podem entrar picados, rendendo um lanche bem saboroso.

Para encantar ainda mais a molecada (principalmente os mais reticentes), tudo bem usar certos "auxiliares": no caso de uma fruta ou de um suco mais azedo, uma quantidade moderada de mel ou açúcar mascavo é válida para agradar ao paladar.

A granola também pode ser usada eventualmente - e, segundo Paula Hertel, os pais devem optar por granolas com uma composição adequada. Aí, é importante observar a lista de ingredientes para evitar o consumo de açúcares refinados, excesso de gordura, aditivos químicos e adoçantes artificiais. Granolas feitas em casa são ótimas opções (misturando sementes, castanhas, óleo de coco e cereais, por exemplo).

E um sal na cenourinha, no tomate-cereja ou no pepino sem casca cortado em tirinhas, vale? Até vale. "Mas esse elemento sempre deve ser usado com muita moderação, porque é na infância que se começa a desenvolver o paladar, então é importante acostumar a criança com alimentos com pouca adição sal", diz Paula.

Com todas essas boas dicas em mãos, organizar uma lancheira cheia de novidades coloridas, saudáveis e apetitosas vai ficar mais fácil. E bem mais gostoso. Não deixando de conferir, é claro, o consumo, total ou parcial, na volta dos pequenos para casa.

Revisão técnica

  • Prof. Dr. Max Grinberg
  • Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
  • Autor do blog Bioamigo

Fonte: site Coração e Vida, produzido com a curadoria do cardiologista Dr. Roberto Kalil Filho.

Abrir