>

Qualicorp explica

Pesquisar Artigos
  • Academia com alegria e sem estresse

  • Saiba mais.
  • Publicado em: 10/09/2018 14:46

Dr. Kalil Explica 10. Set. 2018

Quem nunca teve preguiça de ir à academia de ginástica que atire a primeira pedra. Com o dia a dia cada vez mais agitado, o treino acaba ficando nos últimos lugares da lista de prioridades da semana. Mas e quando a pessoa tem verdadeiro ódio dessa atividade?

Os motivos da raiva podem ser vários: do ambiente da academia, da intensidade do treino, do tipo de exercícios feitos, do horário em que frequenta o local, do (a) instrutor (a) que auxilia a prática e alguns outros. Por vezes, o ódio à academia de ginástica fica tão evidente que os professores do estabelecimento conseguem notar rápido a pessoa que detesta tudo aquilo.

"É muito nítido, já nas primeiras aulas, quando o aluno não gosta de atividade física. Você percebe que ele está desanimado, calado, evita conversar e não demonstra qualquer prazer no que está fazendo", conta o educador físico e personal trainer Bruno Burque.

 

 
  Ainda não possui um plano de saúde?
Clique e encontre as melhores opções para você.
 

Um esquema para dar certo

Mas tudo tem solução. Burque recomenda que, logo ao início das atividades, o educador físico questione o aluno a respeito do que ele gosta e do que não gosta de fazer - ou que o aluno puxe esse assunto. Nesse ponto, é preciso insistir, entender que tipo de atividade traz algum prazer.

"Às vezes, o aluno gosta de uma modalidade de luta, de um alongamento específico, de uma aula de dança - e é possível adaptar o treino na academia. Muitos falam: 'não gosto de academia e musculação, mas gosto de jogar futebol, dançar, pular corda'. Com base nessas respostas, é possível montar exercícios e treinos diferentes", aponta o educador, que ressalta a importância da musculação ao longo das atividades.

"Apesar de a pessoa gostar de algo específico, a musculação é sempre a base, pois fortalece as articulações e dá suporte para outras atividades. Sem a musculação como base, dificilmente será possível dedicar-se a uma atividade sem risco de lesões", esclarece.

Confira algumas dicas para adaptar-se melhor à academia e deixar o ódio de lado:

Procure academias que ofereçam diferentes aulas (dança, luta). Assim, será mais fácil identificar as atividades que mais lhe agradam;

Escolha com calma mesmo essa academia que irá frequentar. Prefere algo perto do trabalho ou de casa? E uma academia 24 horas? Um ambiente mais sério, mais lúdico? Entenda qual sua intenção para depois aderir a um plano longo de atividade;

Seja sincero com seu professor e consigo próprio desde o início das atividades. Assim, será possível definir com mais clareza quais são os treinos adequados para você;

Varie os horários de treino. Com base nisso, perceba em qual dos períodos do dia você tem mais disposição para os exercícios;

Intercale a musculação com as aulas funcionais. Dessa forma, você não ficará preso a uma rotina ou a determinado exercício;

Mantenha um diário para anotar os resultados obtidos ao longo dos treinos. É uma maneira de perceber os ganhos e motivar-se a não desistir dos exercícios;

Na academia, procure pessoas com quem se sinta à vontade. Mas não se sinta pressionado a fazer grandes amizades durante os treinos. Se preferir treinar sozinho, não há problema nenhum;

Invista em roupas adequadas e calçados corretos. Não precisa ser aquele tênis caríssimo de última geração, mas é importante estar se sentindo amparado ao entrar em uma rotina de exercícios.

Revisão técnica

  • Prof. Dr. Max Grinberg
  • Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
  • Autor do blog Bioamigo
Abrir