>

Qualicorp explica

Pesquisar Artigos
  • Lancheira das crianças: opções saudáveis para o recreio

  • Saiba mais.
  • Publicado em: 10/10/2018 09:57

Dr. Kalil Explica 10. Out. 2018

Na pressa de mandar a molecada para a escola e partir ligeiro para o trabalho, mães e pais montam a lancheira dos filhos com o que está mais à mão - na base de caixinhas de suco, pacotinhos de bolos prontos, entre outros itens nada saudáveis. Esse tempo, porém, deveria ser prioridade para preparar um lanche saudável, com frutas e outros itens nutritivos. A boa notícia é que não é difícil se organizar para que os filhos levem uma "lancheira do bem" para a escola.

"O lanche do meio da manhã ou da tarde é mais para matar aquela fominha entre as principais refeições e para evitar que os pequenos, ao almoçar ou jantar com muita fome, exagerem na quantidade", explica a nutricionista do Instituo do Coração (InCor), Thaís Leão.

 
  Ainda não possui um plano de saúde?
Clique e encontre as melhores opções para você.
 

De acordo com ela, o lanche deve apenas repor energias, vitaminas, minerais e líquidos, ajudando na concentração para as atividades. "Para isso, uma fruta mais um iogurte, por exemplo, já seria o suficiente para a maioria das crianças."

Organizar com antecedência um lanche bem composto é a chave - assim, na hora de entregar a molecada na escola, o princípio já está mantido e contido na lancheira. Não é preciso fugir completamente do supermercado e passar horas assando bolos ou biscoitos caseiros com receitas mirabolantes. É bom equilibrar alimentos naturais com aqueles pelos quais as crianças sentem desejo.

"Sucos e achocolatados contém mesmo muito açúcar - mas é possível encontrar nas prateleiras versões integrais dos sucos. Ou mesmo mandar a fruta em vez do suco, que conserva melhor vitaminas e fibras", lembra Thaís.

Nas gôndolas, prefira também cereais matinais integrais sem açúcar, pães integrais, mix de castanhas ou frutas secas - escolhas que devem, inclusive, fazer parte de uma alimentação geral da criança. E vale sempre comparar: biscoitos integrais sem recheio são mais interessantes do que os recheados (que contam mais como doce que como biscoito).

"É muito fácil encontrar alimentos altamente processados, com alta densidade calórica, açúcares, gorduras, corantes, conservantes nas lojas - e que as propagandas na TV influenciam muito as escolhas das crianças e, muitas vezes, os pais têm receio de impor limites. Mas a forma de se opor a isso não precisa ser o outro extremo. Não precisa ser sempre o legume cozido no vapor sem sal. Existem os temperinhos naturais, o azeite, molhos caseiros à base de iogurte", explica.

De acordo com ela, é preciso, sim, estimular a formação de bons hábitos alimentares, procurar escolher sempre que possíveis alimentos frescos, orgânicos, da época, do local mais acessível para cada um - mas em um contexto de equilíbrio.

"É preciso estimular a criança a experimentar novos alimentos, a fazer a alimentação na mesa. Não pode ser só fast food, mas também há a necessidade de abrir, às vezes, uma exceção."

Revisão técnica

  • Prof. Dr. Max Grinberg
  • Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
  • Autor do blog Bioamigo
Abrir