>

Qualicorp explica

Pesquisar Artigos
  • Você sabe escolher um bom azeite?

  • Saiba mais.
  • Publicado em: 12/11/2018 10:36

Dr. Kalil Explica 09. Nov. 2018

Azeite de oliva faz bem ao coração: aprenda a escolher o melhor

O Azeite precisa ter baixa acidez e ser conservado em vidro escuro para não perder as propriedades benéficas.

Fonte de gorduras monoinsaturadas que promovem o aumento do HDL (colesterol bom) e a diminuição do LDL (colesterol ruim), o azeite de oliva auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares. Mas afinal, como escolher a melhor opção diante de tantas ofertas na prateleira do supermercado? A nutricionista Paula Hertel, do Hospital Sírio-Libanês, dá dicas simples para facilitar a decisão.

"O azeite é uma grande fonte de polifenóis, fator que contribui para a redução da formação de radicais livres, e assim atua na prevenção de doenças degenerativas", explica a especialista. "Além disso, é fonte de vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K)".

 
  Ainda não possui um plano de saúde?
Clique e encontre as melhores opções para você.
 

Paula explica que a vitamina E, por exemplo, é um antioxidante que promove a modulação da saúde cardiovascular, prevenindo a aterosclerose. Quer melhor motivo para consumir esse óleo no dia a dia? Escolher um bom azeite, porém, exige leitura de rótulos e observação da embalagem.

Frasco escuro: "prefira azeites que estejam armazenados em frascos de vidro escuros, pois evitam a oxidação do produto pela menor exposição à luz", recomenda a nutricionista. Se o azeite for oxidado, perde-se boa parte das suas boas propriedades.

Extra virgem, sempre!Além disso, ela recomenda que se verifique sempre se o azeite é extra virgem, e que seja 100% feito de azeitona. "Muitos azeites no mercado são misturados com outros óleos vegetais, como de soja e girassol - o que torna o produto mais barato. Vale olhar a lista de ingredientes", alerta.

Melhor é com acidez menor de 0,5%: a acidez do azeite também é algo importante a se levar em conta. "Ela determina a qualidade do azeite. Para ser considerado extra virgem, por exemplo, o azeite pode ter acidez de no máximo 0,8%. Vários fatores influenciam a acidez, como a maturação, a estocagem da azeitona, a ação enzimática e a própria qualidade da azeitona", detalha Paula. "Portanto, a acidez [alta] é consequência, entre outros fatores, de azeitonas que não estão em perfeitas condições, ou do mau armazenamento do azeite".

É importante lembrar, porém, que o grau de acidez não tem a ver com o cheiro ou sabor, mas sim da quantidade de ácidos graxos livres que o azeite tem, e também com a variedade e o estado de maturação da azeitona quando ela é colhida. "O recomendado é acidez inferior a 0,5%", recomenda a nutricionista.

Azeite bom é azeite fresco: O ideal, segundo Paula, é escolher um azeite de fabricação recente. "O prazo de validade é determinado pelo fabricante, porém vale sempre preferir azeites com fabricação mais recente". Essa recomendação é importante porque, quanto mais fresco, mais preservadas estão as propriedades benéficas do azeite.

Revisão técnica

  • Prof. Dr. Max Grinberg
  • Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
  • Autor do blog Bioamigo
Abrir