Cinco principais fatores para a obesidade infantil

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Um dos maiores desafios do século para a saúde pública, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é frear o aumento do número de crianças obesas no mundo, que já chega a 124 milhões. Os impactos da obesidade infantil se estendem por décadas, já que quatro em cada cinco crianças obesas permanecerão assim na fase adulta. Isso colabora para o desenvolvimento de doenças crônicas, como diabetes, pressão alta e problemas cardiovasculares. Saiba quais os principais fatores para a obesidade infantil e o que pais e responsáveis devem fazer para evitá-los.

Quem são as crianças com maior risco de ter obesidade infantil?

Algumas situações logo no início da vida colocam crianças em um grupo predisposto a desenvolver a obesidade. É preciso atenção redobrada para:

  • Filhos de mulheres obesas ou que aumentam de peso durante a gravidez além do recomendado;
  • Bebês que nasceram com menos de dois quilos e meio ou com mais de quatro quilos;
  • Crianças que aumentaram de peso muito rápido durante os primeiros meses de vida;
  • Crianças que aumentaram o índice de massa corporal, fazendo a trajetória inversa da curva normal de crescimento, principalmente entre cinco e sete anos de idade.

Fatores genéticos, hereditários e hormonais e a obesidade infantil

Ao contrário do que muitos pensam, os fatores genéticos hereditários e hormonais não são as principais causas para a obesidade infantil. Juntos, são responsáveis por 10% dos casos. Os outros 90% se devem ao sedentarismo, à má alimentação e ao tempo de sono insuficiente.

Fatores genéticos – são diferentes dos fatores hereditários, que passam de pai para filho. Algumas alterações nos genes são responsáveis por marcar a obesidade grave, que é percebida logo nos primeiros anos de vida. As duas principais mutações em pessoas obesas são nos genes SIM1 e MC4R, que regulam a sensação de fome e saciedade.

Fatores hereditários – crianças de pais obesos têm maior risco de se tornarem obesas do que as crianças com pais que têm peso normal. Se mãe e pai são obesos, os riscos para a criança aumentam 80%. Se só um deles é obeso, as chances caem para 40%.

Fatores hormonais – são mais raros, mas desequilíbrios hormonais, como excesso de insulina, deficiência do hormônio de crescimento, excesso de cortisona e estrógenos desregulados, podem contribuir para a obesidade. Algumas doenças hormonais também são possíveis fatores, por exemplo: síndrome hipotalâmica, síndrome de Cushing, hipotireoidismo, síndrome dos ovários policísticos e hipogonadismo.

Sedentarismo e a obesidade infantil

Tempo na frente das telas – a mudança no estilo de vida das crianças – que há poucas décadas tinham só a televisão e agora contam com computadores, tablets, smartphones e videogames – foi acompanhada do aumento do índice de obesidade infantil. Isso porque o excesso de horas gastas na frente das telas contribui para o estilo de vida sedentário e faz com que as crianças percam o interesse por brincadeiras que gastam mais energia, como jogos de bola, pega-pega, esconde-esconde, gincanas em grupo, bicicleta, entre outras. O tempo em frente às telas deve ser controlado pelos pais e responsáveis e intercalado com tempo de descanso e outras atividades.

  • Crianças até dois anos – o ideal é evitar a exposição a telas;
  • Crianças de dois a cinco anos – limitar o tempo a uma hora por dia;
  • Crianças de seis anos ou mais – deve evitar ultrapassar duas horas por dia, a não ser em casos de tarefas escolares.

Falta de exercícios físicos – de modo geral, para evitar o ganho de peso, o gasto calórico deve ser igual ao consumo. Os exercícios físicos contribuem com 8% a 20% do gasto diário total, portanto são os principais aliados no combate à obesidade, junto com bons hábitos de alimentação. Além disso, os exercícios ajudam a regular os mecanismos do cérebro que controlam a ingestão de comida e provoca alterações em enzimas do corpo que facilitam a queima de gordura. Cerca de 80% de crianças e adolescentes do mundo não praticam as quantidades de exercícios físicos adequadas para cada faixa etária.

  • Crianças de zero a dois anos – bebês devem ser encorajados a engatinhar e/ou se arrastar várias vezes ao dia. Crianças que andam sozinhas devem ser ativas fisicamente durante 180 minutos por dia. Estimule que elas fiquem em pé, se movam, brinquem de rolar, pulem e corram;
  • Crianças de três a cinco anos – devem ficar ativas por 180 minutos por dia, com atividades de qualquer intensidade, que desenvolvam a coordenação motora e alguns esportes. Vale jogar bola, brincar de pega-pega, andar de bicicleta, nadar, dançar e até praticar lutas;
  • Crianças a partir de seis anos – devem praticar, pelo menos, 60 minutos diários de atividades e exercícios moderados a vigorosos. Então, estimule andar de bicicleta, brincar em parques, correr, saltar, praticar esportes e exercícios que favoreçam ossos, músculos e flexibilidade.

Maus hábitos alimentares e a obesidade infantil

Junto com o sedentarismo, a má alimentação é a principal causa da obesidade infantil. O crescente consumo de alimentos processados e ultraprocessados, ricos em açúcares e gorduras, além de provocar o aumento de peso, são responsáveis pela diabetes e pelos altos índices de colesterol e triglicérides em crianças. Seis a cada dez crianças com menos de dois anos comem diariamente bolos, biscoitos e bolachas.

A exposição precoce e excessiva ao fast foods e industrializados faz com que a criança não queira experimentar ou até tenha aversão a alimentos saudáveis e naturais. Pais e responsáveis devem adotar hábitos saudáveis:

Amamente – a amamentação ajuda a prevenir a obesidade e garante todos os nutrientes necessários para os primeiros meses da criança. Ela deve ser a fonte exclusiva de alimento até os seis meses, mas pode ser mantida até os dois anos de idade, junto com a introdução de alimentos naturais.

Evite açúcar para crianças de até dois anos – nessa faixa etária, o organismo em formação ainda não está preparado para digerir o açúcar, que pode até prejudicar a absorção de alimentos saudáveis. Sucos artificiais, achocolatados, bolachas, chocolate, refrigerantes, bolos, entre outros, são proibidos. Após essa idade, até podem ser consumidos. Mas esporadicamente.

Não crie gatilhos negativos – não caia na tentação de recompensar a criança com comida. Por exemplo ¿se comer toda a salada, ganha a sobremesa¿. Dessa forma, você está reforçando que a salada é algo ruim e a sobremesa é o máximo. Não supervalorize a ida na lanchonete, por exemplo, para a comida de casa não parecer sem graça.

Dê exemplos – não adianta proibir a criança de comer doces todos os dias ou incentivar tomar suco natural se ela vê os pais bebendo refrigerante e o armário repleto de guloseimas.

Escolha um lugar adequado para a criança comer – resista à tentação de fazer a criança comer a todo custo enquanto ela anda pela sala, brinca ou está distraída. Ela precisa levar as refeições à sério. Então, desligue a televisão ligada e mantenha o celular longe. Se for o caso, deixe a criança pequena interagir com o alimento enquanto come para sentir textura, cheiro e sabor. Pode ser trabalhoso no começo, mas muito positivo em longo prazo.

Poucas horas de sono e a obesidade infantil

Crianças que dormem menos do que devem tem 58% mais chances de se tornarem obesas. Isso porque o sono insuficiente pode desregular os hormônios que controlam o apetite. Cada faixa etária pede um tempo ideal de sono sem interrupções:

  • Bebês entre quatro e 11 meses – 12 a 15 horas de sono;
  • Crianças de um a dois anos – 11 a 14 horas de sono;
  • Crianças de três a cinco anos – dez a 13 horas de sono;
  • Seis a 13 anos – 9 a 11 horas de sono.

   

Fonte: parceiro Qualicorp.

Abrir

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Central de Serviços

Consultas, solicitações e informações sobre seu plano.

Baixe nosso aplicativo

Boletos, Demonstrativo de IR, carteirinha e atendimento de um jeito prático.

Serviços úteis para você ter mais agilidade e segurança ao usar seu plano de saúde

Atendimento digital

Se preferir adicione (11) 4004-4400 no seu celular.

Dúvidas frequentes

Clique aqui e acesse as dúvidas mais comuns de nossos clientes.

Atendimento por telefone

Segunda a sexta: 7h às 22h

Sábados: 8h às 14h (exceto feriados)

4004-4400

(Capitais e regiões metropolitanas)

0800 016 2000

(Demais regiões)

SAC

Reclamações, cancelamentos e informações sobre a Qualicorp, 24h por dia, todos os dias.

Vendas

Comercialização de planos de saúde para você ou para sua empresa.

Para você

Planos de saúde para categorias profissionais.

Se preferir adicione (11) 3178-4000 no seu celular.

ou ligue para:

(11) 3178-4000

(São Paulo)

0800 777 4004

(Demais regiões)

Para Sua Empresa

Soluções para empresas de todos os tamanhos

Empresas até 199 vidas (PME Qualicorp)

Solicite uma cotação:

ou ligue para: (11) 3149-8305

Segunda a sexta: 9h às 18h
Para saber mais sobre as soluções PME, clique aqui.

Empresarial

Segunda a sexta: 7h às 22h

(11) 3146-1012

Para solicitar uma cotação ou conhecer melhor as soluções da Qualicorp para benefícios corporativos, clique aqui.