Intolerância à lactose e glúten: sintomas e tratamentos

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

As intolerâncias alimentares são desordens que podem dificultar a digestão de um determinado componente pelo organismo. Ao ingeri-lo, é possível que o paciente tenha sintomas como desconforto abdominal, inchaço, gases e diarreia. Embora existam vários tipos de intolerâncias a alimentos, as mais comuns estão relacionadas à lactose e ao glúten.

Diferentes das alergias (quando existe uma resposta imunológica ao alimento ingerido), as intolerâncias ocorrem quando o organismo perde a capacidade de digerir um nutriente específico. Além do desconforto causado por elas, não há maiores prejuízos à saúde envolvidos, mas a orientação médica é importante para evitar deficiências nutricionais.

Intolerância à lactose

Segundo a Dra. Luciane Reis Milani, gastroenterologista do Hospital Sírio-Libanês, ao longo da vida, as células do intestino perdem a capacidade de produzir a enzima lactase, responsável pela quebra da lactose, açúcar presente no leite e em seus derivados. No entanto, alguns pacientes perdem mais e outros menos.

De acordo com a médica, a origem do problema é genética e 75% da população mundial apresenta o gene responsável. “Algumas pessoas podem começar a ter sintomas aos 25 e outros aos 40 anos”, afirma. O diagnóstico é feito por meio de exame, sinais e sintomas, como gases, dor abdominal e diarreia. Ao desconfiar da condição, a pessoa deve procurar um gastroenterologista ou clínico geral, que poderá fazer o pedido de exame.

Existem três formas para identificar o problema: a primeira é o teste oral de intolerância, um exame de sangue feito para medir a curva glicêmica após à ingestão de um líquido rico em lactose. “No paciente que tem a enzima lactase, a lactose é digerida e transformada em glicose e galactose. O teste dá positivo quando não há aumento da glicose”, explica a médica. “É um exame barato, mas a desvantagem é que demora para ser realizado e o paciente que tem intolerância pode passar mal”, completa.

Há ainda um exame respiratório, em que o paciente sopra um aparelho que mede o quanto de hidrogênio ele consegue liberar sem tomar a lactose. Depois, o paciente bebe o líquido e repete o teste após alguns intervalos. O último é o teste genético, mais rápido e mais caro, feito por meio de coleta de sangue.

A intolerância à lactose não tem cura e, por isso, a indicação é a retirada do leite e de seus derivados da dieta, sempre com orientação médica. Outra opção é fazer uso de cápsulas da enzima lactase no momento da ingestão de laticínios. “Pode tomar todos os dias, sem restrições, pois ela não é absorvida pelo organismo, apenas quebra a lactose”, diz Milani. A dose depende da quantidade do nutriente a ser consumida.

Sensibilidade ao glúten

Três problemas estão relacionados à ingestão de glúten, uma proteína presente em cereais, como o trigo, o centeio e a cevada: a doença celíaca, a alergia ao trigo e a intolerância ou sensibilidade ao glúten. Para fazer o diagnóstico da última delas, é preciso descartar as outras duas.

De acordo com a especialista, a alergia e a doença celíaca são mais comuns na infância, mas para segunda condição é necessário ter uma pré-disposição genética. “A doença celíaca é grave, então é necessário excluir o glúten para sempre da dieta, já que pode atrofiar a mucosa intestinal e evoluir até para câncer de intestino”.

No caso da sensibilidade, como não há alteração na mucosa, a restrição ao glúten não é definitiva. No paciente muito sintomático, pode ser indicada a exclusão por até um ano. Depois, com melhora dos sintomas, é possível reintroduzir.

Além de dor, distensão abdominal e diarreia, os sinais podem incluir cansaço, diminuição da memória e dificuldade de concentração. Como os sintomas entre o paciente celíaco e o intolerante são parecidos, é preciso consultar o médico e fazer os exames indicados.

Não existem testes específicos para diagnosticar a sensibilidade, apenas para a doença celíaca. Entre eles estão exames de sangue, teste genético e endoscopia com biópsia do duodeno. Descartando a possibilidade do problema mais grave, realiza-se o diagnóstico clínico da intolerância. No entanto, é importante lembrar que a exclusão do glúten do cardápio só deve ser feita se for indicada por um profissional de saúde.

Revisão técnica

  • Prof. Dr. Max Grinberg
  • Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
  • Autor do blog Bioamigo

Fonte: site Coração e Vida, produzido com a curadoria do cardiologista Dr. Roberto Kalil Filho.

Abrir

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Central de Serviços

Consultas, solicitações e informações sobre seu plano.

Baixe nosso aplicativo

Boletos, Demonstrativo de IR, carteirinha e atendimento de um jeito prático.

Serviços úteis para você ter mais agilidade e segurança ao usar seu plano de saúde

Atendimento digital

Se preferir adicione (11) 4004-4400 no seu celular.

Dúvidas frequentes

Clique aqui e acesse as dúvidas mais comuns de nossos clientes.

Atendimento por telefone

Segunda a sexta: 7h às 22h

Sábados: 8h às 14h (exceto feriados)

4004-4400

(Capitais e regiões metropolitanas)

0800 016 2000

(Demais regiões)

SAC

Reclamações, cancelamentos e informações sobre a Qualicorp, 24h por dia, todos os dias.

Vendas

Comercialização de planos de saúde para você ou para sua empresa.

Para você

Planos de saúde para categorias profissionais.

Se preferir adicione (11) 3178-4000 no seu celular.

ou ligue para:

(11) 3178-4000

(São Paulo)

0800 777 4004

(Demais regiões)

Para Sua Empresa

Soluções para empresas de todos os tamanhos

Empresas até 199 vidas (PME Qualicorp)

Solicite uma cotação:

ou ligue para: (11) 3149-8305

Segunda a sexta: 9h às 18h
Para saber mais sobre as soluções PME, clique aqui.

Empresarial

Segunda a sexta: 7h às 22h

(11) 3146-1012

Para solicitar uma cotação ou conhecer melhor as soluções da Qualicorp para benefícios corporativos, clique aqui.