conheça o tratamento da herpes na gestação

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Conhecida por dois tipos (HSV-I e HSV-II), a herpes simples é uma doença infecto contagiosa causada por um vírus e está principalmente relacionado com a herpes labial e genital. Quando a doença é manifestada durante a gravidez, causando pequenas bolhas dolorosos pelo corpo, os cuidados devem ser redobrados e com um rígido acompanhamento médico.

Embora a doença geralmente seja incômoda e cause desconforto para muitas mulheres, são sérias as consequências, tanto para o feto quanto para o recém-nascido, causadas pela infecção durante o período gestacional. Para Patrícia Varella, ginecologista e obstetra, as gestantes tem maior facilidade de contrair qualquer doença infecciosa pela redução de seu estado imunológico.

Na maioria dos casos, a herpes pode iniciar em qualquer época da gravidez entre nove semanas e uma semana após o parto, com média de início durante as primeiras 21 semanas de gravidez. Geralmente, a doença pode durar várias semanas, mas pode persistir ainda por vários meses após o nascimento do bebê.

Segundo a ginecologista, o tipo dois da herpes simples – a genital – é responsável por 60 a 80% das infecções neonatais. Existem três padrões clínicos em que a herpes materna pode se manifestar no feto ou recém-nascido:

A forma intra-uterina, causada no primeiro trimestre, é comum a incidência de abortos espontâneos. Depois deste período, as principais causas são a prematuridade no nascimento, microcefalia – retardamento do crescimento da cabeça -, catarata e cegueira. Já a forma assintomática, que não sofre nenhum sintoma, é rara em grande parte dos quadros.

Em 30% dos casos, a forma mais comum da herpes, quando não tratada, pode atingir o sistema nervoso central, podendo causar encefalite – inflamações agudas do cérebro -, que anteriormente se manifestou com febre, apneia – falta de ar durante o sono – e convulsões. Em sua forma mais incomum, mas ainda frequente, é o início dos sinais na primeira ou segunda semana de vida da criança e é causada em ambos os tipos da herpes. As consequências mais recorrentes, neste caso, são a pneumonia e a icterícia.

Links

Parto normal ou cesárea
Herpes gestacional
De mãe para filho
Cuidados: Prevenção e Tratamento

Parto normal ou cesárea

“Apesar de controversa, existe a indicação de cesárea quando a mulher gestante adquire a herpes genital entre a 34ª semana até o parto”, explica Luiza Keiko, dermatologista membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Regional São Paulo (SBD-SP).

Dessa forma, avalia a dermatologista, a cesárea é indicada quando as lesões herpéticas estão presentes no momento do nascimento, independente do tempo de ruptura das membranas da pele. Para a especialista, esse procedimento diminui muito o risco de transmissão para o recém-nascido.

A via do parto é decidida pela presença ou ausência de lesões genitais na mulher. A ginecologista indica, por recomendação obstétrica e se não há lesão, que o parto pode ser normal. “No caso específico da lactação, a amamentação só é contra-indicada se a mãe apresentar lesão evidente na mama”, afirma Patrícia.

Herpes gestacional

A herpes gestacional é considerada mais grave que uma herpes comum por atacar o feto e pela gestante, por si só, ter uma resposta imunológica mais precária que a mulher fora da gravidez.

Para Luiza, em grande parte dos quadros, a herpes gestacional não deixa sequelas. “O vírus fica no organismo, mas é recorrente, podendo reaparecer novamente”, explica. E quanto à esterilidade, a dermatologista descarta a possibilidade da mulher, após o parto e tratamento adequado, tornar-se estéril.

De mãe para filho

Já a herpes genital, que é uma doença sexualmente transmissível, possui várias formas de apresentação: a herpes genital primária, manifestada pela primeira vez, a crônica e as formas atípicas e assintomáticas.

“Esse tipo de doença pode ser transmitida pela mãe na gravidez, predominantemente durante o parto normal, pelo contato direto com a secreção genital materna”, explica a dermatologista. Do contágio, continua a médica, pode ocorrer a herpes no recém-nascido, manifestado na pele, olhos e mucosas em 45% dos casos.

De acordo com a ginecologista, a transmissão da doença para o filho ainda dentro do útero pela via de contaminação pela placenta é responsável somente por 5% dos quadros de infecção. Estes casos são mais benignos e podem ser tratados com antivirais o mais precocemente possível.

A infecção genital durante a gravidez possui um risco significativo para o desenvolvimento do feto por dificultar o rápido tratamento. “Muitos recém-nascidos adquirem o vírus de mães assintomáticas sem lesões identificáveis”, esclarece Patrícia. A contaminação congênita pela herpes é de um caso para 20 mil nascidos vivos.

Cuidados: Prevenção e Tratamento

Para a gestante não contrair a herpes, os maiores cuidados que ela deve tomar é fortalecer primeiro o sistema imunológico, por meio de alimentação adequada, prática de atividade física regular e adequada, além de boa qualidade e horas de sono.
O tratamento mais indicado para o herpes genital são os antivirais. “O uso de pomadas antivirais pode melhorar sintomas locais”, explica a dermatologista. Embora sem grandes efeitos na duração das lesões, o uso alivia os sinais de prurido e formigamento.

Outro cuidado é o uso frequente do protetor solar e labial. É essencial evitar o estresse exagerado e jamais fumar nem ingerir bebida alcoólica na gravidez. “O ideal é criar hábitos saudáveis e, acima de tudo, seguir as orientações de um médico”, completa a ginecologista.

Mesmo usando preservativo nas relações sexuais, a gestante pode contrair herpes labial – ou mesmo genital – do parceiro, que já está com a doença, pelo beijo. Portanto, evitar todo o tipo de contato é mais do que necessário.

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Central de Serviços

Consultas, solicitações e informações sobre seu plano.

Baixe nosso aplicativo

Boletos, Demonstrativo de IR, carteirinha e atendimento de um jeito prático.

Serviços úteis para você ter mais agilidade e segurança ao usar seu plano de saúde

Atendimento digital

Se preferir adicione (11) 4004-4400 no seu celular.

Dúvidas frequentes

Clique aqui e acesse as dúvidas mais comuns de nossos clientes.

Atendimento por telefone

Segunda a sexta: 7h às 22h

Sábados: 8h às 14h (exceto feriados)

4004-4400

(Capitais e regiões metropolitanas)

0800 016 2000

(Demais regiões)

SAC

Reclamações, cancelamentos e informações sobre a Qualicorp, 24h por dia, todos os dias.

Vendas

Comercialização de planos de saúde para você ou para sua empresa.

Para você

Planos de saúde para categorias profissionais.

Se preferir adicione (11) 3178-4000 no seu celular.

ou ligue para:

(11) 3178-4000

(São Paulo)

0800 777 4004

(Demais regiões)

Para Sua Empresa

Soluções para empresas de todos os tamanhos

Empresas até 199 vidas (PME Qualicorp)

Solicite uma cotação:

ou ligue para: (11) 3149-8305

Segunda a sexta: 9h às 18h
Para saber mais sobre as soluções PME, clique aqui.

Empresarial

Segunda a sexta: 7h às 22h

(11) 3146-1012

Para solicitar uma cotação ou conhecer melhor as soluções da Qualicorp para benefícios corporativos, clique aqui.