Coparticipação em plano de saúde, o que é?

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Ter um convênio pode trazer muito mais tranquilidade para você, sua família e os seus colaboradores. Mas nós sabemos que nem sempre é fácil encontrar uma operadora que ofereça planos acessíveis. Por isso vamos te falar sobre coparticipação em plano de saúde, que pode ser uma opção mais acessível.

Então, se você está procurando um convênio mais em conta, pode ser que um plano de saúde com coparticipação seja uma opção interessante para você, para sua família ou para a sua empresa.

Confira a seguir os detalhes sobre essa modalidade.

O que é coparticipação?

De acordo com a Agência Nacional de saúde Suplementar (ANS), coparticipação é o valor que o beneficiário de um plano de saúde paga para a operadora depois de realizar um procedimento, como consultas e exames. Por isso, o plano de saúde com coparticipação são mais baratos do que os convencionais.

Geralmente, a coparticipação é paga mensalmente e o valor varia de uma operadora para outra, podendo ser uma porcentagem ou um valor fixo. Porém, a cobrança sempre deve estar de acordo com as normas da ANS.

Contudo, em relação a cobertura e rede credenciada, os convênios com coparticipação e os tradicionais são iguais. Eles também oferecem diferentes tipos de serviço, como acomodações apartamento ou enfermaria.

Normas da ANS para cobrança do plano de saúde com coparticipação

Segundo a ANS, o valor pago pela coparticipação pode ser fixo ou uma porcentagem do procedimento. Mas, esse valor não pode ser maior do que a mensalidade do plano e/ou as doze parcelas do ano.

Além disso, a porcentagem máxima de coparticipação para exames e consultas é de 40%. Já no caso do atendimento em pronto socorro é obrigatório que a coparticipação tenha um valor fixo que não ultrapasse 50% da mensalidade do plano.

A ANS também rege que as operadoras não podem cobrar coparticipação diferenciada de acordo com a doença nem limitar o número de alguns tratamentos crônicos, como hemodiálise e quimioterapia.

Desde 2018, a Agência também isentou mais de 250 procedimentos da coparticipação. Agora, os beneficiários têm direito a 4 consultas por ano nas especialidades de clínica geral, pediatria, geriatria, ginecologia e médico de família.

Outros procedimentos isentos de coparticipação são os exames preventivos, como mamografia, pré-natal e exames de sangue. Porém, também há um número limite para utilização desses serviços sem custo adicional.

Como é feita a cobrança?

A cobrança da coparticipação varia de acordo com o plano que você contratar.

No caso no plano individual e coletivo por adesão, a cobrança é feita na fatura mensal junto com a mensalidade fixa.

Por outro lado, nos planos empresariais, a cobrança é realizada diretamente na folha de pagamento do colaborador. Geralmente, a empresa fica responsável por pagar a mensalidade, e o colaborador a comparticipação.

De qualquer forma, as operadoras são obrigadas a disponibilizar para os seus beneficiários um demonstrativo de utilização no site.

Para quem o plano de saúde com coparticipação é indicado?

Como o valor da mensalidade do plano de saúde com coparticipação pode variar de um mês para o outro, ele é indicado principalmente para quem não tem problemas crônicos de saúde e usa o convenio de forma mais pontual.

No caso de idosos ou indivíduos com comorbidades crônicas, que precisam realizar várias consultas e exames, um plano de saúde com coparticipação pode não ser vantajoso financeiramente.

Essa modalidade também pode ser uma boa opção para as empresas que querem reduzir custos com planos de saúde, pois a mensalidade é mais barata do que o plano sem coparticipação.

Nesses casos, o colaborador também pode ser beneficiado, pois ele precisará pagar a coparticipação apenas quanto usar.

Quer contratar um planos de saúde com coparticipação?

Para você e sua família

Obter cotação

Para sua empresa

Obter cotação