Saiba mais sobre a epidemia de microcefalia

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Epidemia de microcefalia é comparável ao caso talidomida

Em agosto de 2015, o Brasil se deparou com um aumento inesperado do nascimento de bebês com microcefalia, uma má-formação no cérebro. Em entrevista à Agência Brasil, o presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Gastão Wagner Campos, comparou a situação com o caso talidomida, que ocorreu nos anos 50 e 60.

A talidomida é um remédio que por anos foi usado por gestantes contra enjoos. O que não se sabia é que a droga interrompia o crescimento de membros dos fetos. Como consequência, cerca de 10 mil bebês no mundo todo nasceram com deformidades.

Depois de passar um tempo banida, a talidomida voltou a circular no país, sendo hoje utilizada para tratamento de hanseníase, lúpus, aids e mieloma múltiplo. Mas sua prescrição só é feita mediante assinatura de termo de responsabilidade. Além disso, está proibida para grávidas e tem rigoroso controle para mulheres em idade fértil.

A atual epidemia de microcefalia em recém-nascidos, no entanto, está relacionada a um vírus emergente: o zika. Este vírus é transmitido pelo aedes aegypti, o mesmo mosquito transmissor de dengue e de febre chikungunya.

Até 12 de dezembro de 2015, o país já registrava mais de 2.400 casos de microcefalia identificados em 549 municípios e 20 estados. Isso representa um grande aumento em relação a 2014, ano em que foram identificados 147 casos da doença em todo o país. O Nordeste é a região mais afetada.

Recomendações para gestantes

A orientação do Ministério da Saúde é que mulheres grávidas adotem todas as medidas possíveis para evitar o contato com o mosquito que pode transmitir o zika vírus: usar meias e roupas compridas, utilizar repelente e evitar o acúmulo de água parada em casa ou no trabalho.

Também é importante realizar exames pré-natais, que podem detectar a microcefalia. Bebês que nascem com essa condição neurológica têm o tamanho do crânio menor do que o normal (perímetro menor que 32 centímetros).

Em 90% dos casos, a criança apresenta déficit intelectual, podendo ter ainda problemas no desenvolvimento motor e na fala, convulsões e hiperatividade. Realizar tratamentos desde os primeiros anos melhoram o desenvolvimento e a qualidade de vida.

Referências

http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/21254-ministerio-da-saude-atualiza-numeros-de-microcefalia-relacionados-ao-zika

http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-12/casos-de-microcefalia-resgatam-trauma-de-sindrome-da-talidomida-nos-anos-60

Abrir

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Central de Serviços

Consultas, solicitações e informações sobre seu plano.

Baixe nosso aplicativo

Boletos, Demonstrativo de IR, carteirinha e atendimento de um jeito prático.

Serviços úteis para você ter mais agilidade e segurança ao usar seu plano de saúde

Atendimento digital

Se preferir adicione (11) 4004-4400 no seu celular.

Dúvidas frequentes

Clique aqui e acesse as dúvidas mais comuns de nossos clientes.

Atendimento por telefone

Segunda a sexta: 7h às 22h

Sábados: 8h às 14h (exceto feriados)

4004-4400

(Capitais e regiões metropolitanas)

0800 016 2000

(Demais regiões)

SAC

Reclamações, cancelamentos e informações sobre a Qualicorp, 24h por dia, todos os dias.

Vendas

Comercialização de planos de saúde para você ou para sua empresa.

Para você

Planos de saúde para categorias profissionais.

Se preferir adicione (11) 3178-4000 no seu celular.

ou ligue para:

(11) 3178-4000

(São Paulo)

0800 777 4004

(Demais regiões)

Para Sua Empresa

Soluções para empresas de todos os tamanhos

Empresas até 199 vidas (PME Qualicorp)

Solicite uma cotação:

ou ligue para: (11) 3149-8305

Segunda a sexta: 9h às 18h
Para saber mais sobre as soluções PME, clique aqui.

Empresarial

Segunda a sexta: 7h às 22h

(11) 3146-1012

Para solicitar uma cotação ou conhecer melhor as soluções da Qualicorp para benefícios corporativos, clique aqui.