Estresse pós-traumático é doença e deve ser tratado

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Algumas experiências deixam marcas tão profundas que nem o tempo e a distância são capazes de suavizar. Seja em sonho, sejam difusas em lembranças que vêm e vão sem explicação, ou mesmo na forma de visões e sensações muito reais, elas insistem em permanecer, como verdadeiras assombrações.

A essa situação, que nada tem de superficial ou corriqueira, chamamos de estresse pós-traumático, uma doença psiquiátrica do grupo dos Transtornos Ansiosos.

“Em linhas gerais, o transtorno pós-traumático é gerado pela incapacidade de um indivíduo em se adaptar a uma mudança abrupta em sua vida, causada por um evento traumatizante”, explica o psiquiatra Alexandre Seco.
 

Links

Sintomas do estresse pós-traumáticos podem ser fáceis de diferenciar
Estresse pós-traumático pode se tornar crônico
Prevalência do estresse pós-traumático independe das causas

Sintomas do estresse pós-traumáticos podem ser fáceis de diferenciar

Apesar de conter elementos de outras síndromes mais conhecidas, como o pânico e a depressão, não é tão complicado distinguir o estresse pós-traumático de outras condições relacionadas, que geram sintomas parecidos. Por se tratar de uma doença intimamente ligada a acontecimentos pontuais e negativos, seu diagnóstico pode ser relativamente simples.

“Em geral, o paciente relata o aparecimento dos sintomas após uma situação traumática, o que facilita a diferenciação”, avalia o especialista.

Destes sinais, o mais clássico é justamente a chamada “revivência traumática”: a recordação insistente e real do trauma, que parece estar acontecendo naquele exato momento. Há ainda a tendência à reclusão e ao isolamento, pois é comum que o paciente tente evitar lugares e situações que, de alguma forma, remetam ao trauma. Por fim, também é comum observar em quadros de estresse pós-traumático características de ansiedade e pânico, como agitação e irritabilidade.

Tais sintomas, entretanto, podem levar até dois anos para se manifestar. E quando eles aparecem, muitas vezes são negligenciados.

“Nem sempre o paciente procura ajuda”, avalia a psicóloga Magda Pearson, lembrando que, mesmo quando já está em atendimento profissional, pode demorar algum tempo até que a pessoa consiga localizar em seu passado os eventos que levaram ao desenvolvimento do estresse pós-traumático.

Estresse pós-traumático pode se tornar crônico

Por isso, é preciso ficar atento, a fim de detectar a doença antes que se torne crônica, o que é comum acontecer.

“O tratamento é feito principalmente com medicamentos antidepressivos e ansiolíticos, e técnicas específicas de psicoterapia”, explica o psiquiatra Alexandre Seco, esclarecendo que o processo deve ser conduzido pelo psicólogo e pelo psiquiatra, com a participação decisiva das pessoas mais próximas ao paciente.

“A família e os amigos devem estar sempre engajados, oferecendo suporte emocional, estimulando o paciente a sair de casa, a enfrentar seus medos e manter-se ativo. Além disso, é importante que essas pessoas garantam que o doente faça corretamente o seu tratamento, não desistindo ou desanimando”, afirma o especialista.

É muito difícil enfrentar o estresse pós-traumático sem acompanhamento profissional. Quando não é tratada, a doença pode evoluir tanto a ponto de comprometer a qualidade de vida e inviabilizar o convívio social, além de levar ao abuso de álcool e ao consumo de outras drogas. Nos casos mais graves, o paciente pode até passar a apresentar tendências suicidas.

Prevalência do estresse pós-traumático independe das causas

Diversas situações podem levar ao estresse pós-traumático. Por essa razão, não é possível listar, de forma objetiva, suas causas. Sabe-se que eventos como acidentes, abusos, roubos e mortes repentinas de pessoas próximas costumam desencadear crises. Mas mesmo acontecimentos que não envolvem o paciente de forma direta são capazes de levar à doença, como a violência urbana.

“Alguns estudos estimam uma prevalência da doença de até 20% em populações expostas a violência, catástrofes naturais, guerras e pobreza extrema”, afirma o psiquiatra Alexandre Seco.

Porém, é importante destacar que pessoas diferentes reagem de forma distinta aos mais variados estímulos.

“Podemos perceber que há pessoas resilientes, que nem sempre desenvolvem quadros significativos de estresse pós-traumático. São indivíduos cuja fé é maior, ou que já passaram por situações difíceis e acreditam na sua capacidade de sobrevivência”, afirma a psicóloga Magda Pearson.

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Central de Serviços

Consultas, solicitações e informações sobre seu plano.

Baixe nosso aplicativo

Boletos, Demonstrativo de IR, carteirinha e atendimento de um jeito prático.

Serviços úteis para você ter mais agilidade e segurança ao usar seu plano de saúde

Atendimento digital

Se preferir adicione (11) 4004-4400 no seu celular.

Dúvidas frequentes

Clique aqui e acesse as dúvidas mais comuns de nossos clientes.

Atendimento por telefone

Segunda a sexta: 7h às 22h

Sábados: 8h às 14h (exceto feriados)

4004-4400

(Capitais e regiões metropolitanas)

0800 016 2000

(Demais regiões)

SAC

Reclamações, cancelamentos e informações sobre a Qualicorp, 24h por dia, todos os dias.

Vendas

Comercialização de planos de saúde para você ou para sua empresa.

Para você

Planos de saúde para categorias profissionais.

Se preferir adicione (11) 3178-4000 no seu celular.

ou ligue para:

(11) 3178-4000

(São Paulo)

0800 777 4004

(Demais regiões)

Para Sua Empresa

Soluções para empresas de todos os tamanhos

Empresas até 199 vidas (PME Qualicorp)

Solicite uma cotação:

ou ligue para: (11) 3149-8305

Segunda a sexta: 9h às 18h
Para saber mais sobre as soluções PME, clique aqui.

Empresarial

Segunda a sexta: 7h às 22h

(11) 3146-1012

Para solicitar uma cotação ou conhecer melhor as soluções da Qualicorp para benefícios corporativos, clique aqui.