>

Qualicorp explica

Pesquisar Artigos
  • Vacina contra dengue deverá estar disponível em 2020

  • Saiba mais.
  • Publicado em: 26/06/2019 15:01

Dr. Kalil Explica 25. Junho. 2019

A cidade de São Paulo poderá ser, em breve, o berço da primeira vacina contra a dengue desenvolvida no país. "Acreditamos que até o segundo semestre de 2020 já teremos uma vacina de dose única, contra a doença", afirma o médico infectologista e ex-secretário da Saúde do Estado de São Paulo, David Uip.

Neste mês de maio, o Instituto Butantan, em parceria com os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês) terminou a terceira e última fase de testes da vacina. Nesta última etapa, participaram crianças de 2 a 6 anos de idade - adolescentes de 7 a 17 anos, e adultos de 18 a 59 anos participaram da segunda e primeira fase, respectivamente.

Totalmente segura, a vacina, feita com vírus enfraquecido, passou por testes clínicos nos Estados Unidos antes de o Instituto Butantan obter a licença. A imunização é tetravalente, ou seja, age contra os quatro sorotipos de dengue: DEN1, DEN2, DEN3 e DEN4, e promete prevenir a doença - que até abril desse ano pode ter afetado mais de 450 mil pessoas, conforme relatório do Ministério da Saúde.

 
  Ainda não possui um plano de saúde?
Clique e encontre as melhores opções para você.
 

No ano passado, a doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti atingiu 1,4 milhão de pessoas e provocou 602 óbitos. "Estamos otimistas com a vacina brasileira, mas o processo é longo. Agora aguardamos comprovação do tempo necessário para medir eficácia e, posteriormente, ser enviada aos órgãos reguladores, para aprovação" explica o diretor do Butantan, Dimas Covas, ao site Coração e Vida.

Eficácia da vacina:
O tempo mencionado pelo diretor depende de alguns fatores, como, por exemplo, de questões epidemiológicas favoráveis, como a circulação dos quatro subtipos de vírus da dengue no país. Todos os voluntários participantes dos testes da vacina precisam ter tido contato com os quatro subtipos de vírus, a fim de comprovar a eficácia do imunizante. Tal processo leva tempo.

Vacina francesa tem restrições
No início de maio, a Agência Reguladora dos Estados Unidos para Alimentos e Medicamentos (FDA) aprovou, com restrições, o uso no país da primeira vacina contra a dengue. Conhecia por 'Dengvaxia', do laboratório francês Sanofi Pasteur, o imunizante estava sendo aplicado somente em pessoas residentes de áreas onde a doença é epidêmica - e que já tenham sido infectadas. Segundo o jornal The New York Times, a decisão do FDA foi tomada depois de o laboratório Sanofi ter admitido que a vacina pode provocar a forma mais grave de dengue - se aplicada em pessoas que nunca foram contaminadas pela doença.
A francesa Sanofi distribui o imunizante para o Brasil desde 2015, vendido em clínicas particulares. Por isso, os esforços na criação e agilidade para o lançamento da vacina brasileira são visto com bons olhos - uma vez que é totalmente segura e não há indícios de reações adversas. Vale lembrar que as vacinas são preventivas e não descartam a necessidade de reforçar os cuidados básicos contra o foco dos mosquitos nas residências. "Sabemos que 80% dos focos de dengue são residenciais. Esta realidade precisa mudar", enfatiza Uip.

   

Revisão técnica

  • Prof. Dr. Max Grinberg
  • Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
  • Autor do blog Bioamigo

Fonte: site Coração e Vida, produzido com a curadoria do cardiologista Dr. Roberto Kalil Filho.

Abrir