A atenção primária e a mudança no modelo de saúde

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Dr. Celso

Confira abaixo o artigo de Celso Visconti Evangelista, superintendente-médico da Qualicorp, publicado nesta segunda-feira (24) pelo jornal Correio Braziliense.

A atenção primária e a mudança no modelo de saúde

Muito se tem discutido a respeito das mudanças necessárias no modelo da saúde suplementar. Um dos mais importantes pilares desse debate é o resgate da imagem do médico de família, ou médico generalista, atuando como porta de entrada para o sistema de saúde.

No Brasil, o sistema foi organizado com base em uma cultura da liberdade do acesso às especialidades, em que o usuário é atendido por um profissional com qualificação restrita à sua área de atuação. A questão é que, tradicionalmente, o consumidor enxerga nisto um benefício. E agora se sugere indicar o médico generalista como porta de entrada para o sistema de atendimento. Assim, não se pode descuidar da valorização deste médico. A busca por profissionais experientes para a função será essencial. Mas, como se dá a aquisição da experiência clínica na atividade médica?

A atuação médica é complexa, e pauta-se em intervenções muito abrangentes. Desde aspectos educacionais, apoio emocional, cuidados pessoais, até as ações mais invasivas, que se dão por meio de medicamentos e de procedimentos cirúrgicos. A decisão quanto a que tipo de ação deve ser adotada orienta-se na formulação de diagnósticos e no perfil do próprio paciente. Ou seja, é na boa caracterização da tríade: prescrição, diagnóstico e paciente, que depende a qualidade do resultado da atenção à saúde. Aí está o porquê da importância da experiência do médico.

São dezenas de dias de treinos necessários para adquirir habilidade para realizar uma intervenção. Centenas de dias para assimilar o entendimento quanto à situação em que tal intervenção deva ser executada. Entretanto, milhares de dias passarão até que se tenha a sabedoria para perceber quando a intervenção, ainda que formalmente indicada, não deva ser feita. São três fases na evolução da experiência médica. O tempo servindo para ampliar o conhecimento, aprimorar e refinar o saber, além de possibilitar a qualidade da experiência.

Protocolos, algoritmos, exames, tecnologias; o médico moderno é bombardeado por inovações, congressos, simpósios, publicações científicas etc. Sob pressões para manter-se atualizado, não há interesse comercial para se investir na aquisição da sabedoria da arte médica. Uma armadilha que favorece a ausculta da narrativa da doença e negligencia o diálogo com o doente. Surge, então, a oportunidade para a invasão da inteligência artificial na área da saúde. Médicos bem treinados ameaçados por máquinas cognitivas bem programadas. Todavia, interpretar a linguagem de um doente é algo refinado, requer a perspicácia e a ousadia que só o mais alto nível de experiência pode propiciar, algo que está além do alcance dos robôs.

No mundo médico pós-moderno, a instância onde se preserva um ambiente propício à aquisição desta experiência no sentido mais ampliado é exatamente a atenção primária. Por esta razão não haverá dificuldade em engajar o cliente, nem se evidenciar o ganho de qualidade com a implantação de um modelo assim organizado, desde que estruturado com médicos experientes e de alto nível e, consequentemente, valorizados de forma correta.

E há algo mais, de grande relevância, a se acrescentar: haverá um notório ganho de efetividade no trabalho do médico especialista, tendo em vista que o seu acionamento se dará de forma mais adequada. É fundamental a integração entre o médico generalista e o médico especialista para este modelo ser bem-sucedido.

Celso Visconti Evangelista é formado em medicina pela Universidade de São Paulo (USP), com especialização em Medicina Preventiva. Atualmente é superintendente-médico da Qualicorp e responsável técnico pelo QualiViva, programa de atenção à saúde

Abrir

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Central de Serviços

Consultas, solicitações e informações sobre seu plano.

Baixe nosso aplicativo

Boletos, Demonstrativo de IR, carteirinha e atendimento de um jeito prático.

Serviços úteis para você ter mais agilidade e segurança ao usar seu plano de saúde

Atendimento digital

Se preferir adicione (11) 4004-4400 no seu celular.

Dúvidas frequentes

Clique aqui e acesse as dúvidas mais comuns de nossos clientes.

Atendimento por telefone

Segunda a sexta: 7h às 22h

Sábados: 8h às 14h (exceto feriados)

4004-4400

(Capitais e regiões metropolitanas)

0800 016 2000

(Demais regiões)

SAC

Reclamações, cancelamentos e informações sobre a Qualicorp, 24h por dia, todos os dias.

Vendas

Comercialização de planos de saúde para você ou para sua empresa.

Para você

Planos de saúde para categorias profissionais.

Se preferir adicione (11) 3178-4000 no seu celular.

ou ligue para:

(11) 3178-4000

(São Paulo)

0800 777 4004

(Demais regiões)

Para Sua Empresa

Soluções para empresas de todos os tamanhos

Empresas até 199 vidas (PME Qualicorp)

Solicite uma cotação:

ou ligue para: (11) 3149-8305

Segunda a sexta: 9h às 18h
Para saber mais sobre as soluções PME, clique aqui.

Empresarial

Segunda a sexta: 7h às 22h

(11) 3146-1012

Para solicitar uma cotação ou conhecer melhor as soluções da Qualicorp para benefícios corporativos, clique aqui.