Fertilização in vitro: o que é preciso saber?

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

A técnica nasceu conhecida como “bebê de proveta” há quase 40 anos – quando nasceu também Louise Brown, na Inglaterra, em 1978, a primeira criança gerada com a ajuda de um procedimento médico. De lá para cá, a fertilização in vitro (FIV) se tornou, gradualmente, uma alternativa cada vez mais possível para casais que sonham conceber um filho.

A FIV é o processo em que a fertilização do óvulo com um espermatozoide é feita em laboratório. Os espermatozoides, com os óvulos, são colocados em uma cultura especialmente preparada e mantida em condições ideais de temperatura e ambiente que simulam as trompas do organismo feminino.

Quando o processo evolui como esperado, os pré-embriões formados são, então, transferidos para o útero da mãe. Além dessa FIV convencional, existe a técnica conhecida como ICSI (sigla em inglês para intra cytoplasmic sperm injection), em que o espermatozoide é injetado dentro do óvulo.

A técnica nasceu conhecida como “bebê de proveta” há quase 40 anos – quando nasceu também Louise Brown, na Inglaterra, em 1978, a primeira criança gerada com a ajuda de um procedimento médico. De lá para cá, a fertilização in vitro (FIV) se tornou, gradualmente, uma alternativa cada vez mais possível para casais que sonham conceber um filho.

A FIV é o processo em que a fertilização do óvulo com um espermatozoide é feita em laboratório. Os espermatozoides, com os óvulos, são colocados em uma cultura especialmente preparada e mantida em condições ideais de temperatura e ambiente que simulam as trompas do organismo feminino.

Quando o processo evolui como esperado, os pré-embriões formados são, então, transferidos para o útero da mãe. Além dessa FIV convencional, existe a técnica conhecida como ICSI (sigla em inglês para intra cytoplasmic sperm injection), em que o espermatozoide é injetado dentro do óvulo.

Essa opção costuma ser adotada quando se sabe, previamente, que o espermatozoide não consegue fertilizar o óvulo por conta própria. E esses são apenas dois métodos normalmente usados pelos médicos especialistas em reprodução humana.

Estimativas da Rede Latino-Americana de Reprodução Assistida indicam que, no Brasil, entre 15% e 30% dos casais precisam de algum tipo de acompanhamento médico para conseguir ter um bebê. Cerca de um terço deles recorre às técnicas de reprodução assistida, o que equivale a aproximadamente 90 mil casais por ano.

 

As possibilidades de tratamento contra a infertilidade podem começar com procedimentos mais simples, como as relações sexuais programadas e a inseminação intrauterina, antes de chegar até as técnicas de fertilização in vitro.

Mas quando se fala em FIV, fertilização in vitro, algumas questões precisam estar bem entendidas. O coordenador médico do Laboratório de Reprodução Humana do Hospital Sírio-Libanês, Carlos Alberto Petta, trouxe alguns esclarecimentos básicos para quem quer conhecer melhor as questões relacionadas à fertilização in vitro.

Coração & Vida: Toda mulher pode fazer FIV?

Pode, desde que não tenha condições que contraindiquem uma gravidez, como problemas cardíacos, má formações uterinas e outras.

C&V: A idade influi (pode-se fazer na menopausa, por exemplo)?

A idade é o principal fator relacionado ao sucesso. A chance de uma mulher aos 35 anos engravidar em uma tentativa é de 60%, enquanto aos 40 anos fica em 25-30%. Mulheres na menopausa podem fazer FIV, mas são utilizados óvulos doados por mulheres com até 34 anos.

C&V: Quanto tempo leva um tratamento?

O procedimento acontece de forma rápida, algo em torno de 20 dias.

C&V: Os medicamentos são “fortes”; existem efeitos colaterais?

São usados os mesmos hormônios que a mulher produz, apenas aumenta-se a quantidade deles. A maioria tem poucos efeitos colaterais. Mas alguns fazem acontecer a retenção de líquidos e dão a sensação de inchaço, por exemplo.

C&V: Quem engravida pela fertilização in vitro precisa tomar algum cuidado extra?

Sempre tomamos cuidado extra no início da gestação, mas depois tudo é encaminhado como em uma gravidez que acontece espontaneamente.

C&V: Qual o procedimento em caso de insucesso?

O importante é entender as razões de porque o insucesso aconteceu, assim os especialistas podem rever e mudar a estratégia. A individualização dos casais é muito importante quando se opta pela FIV.

Revisão técnica

  • Prof. Dr. Max Grinberg
  • Núcleo de Bioética do Instituto do Coração do HCFMUSP
  • Autor do blog Bioamigo

Fonte: site Coração e Vida, produzido com a curadoria do cardiologista Dr. Roberto Kalil Filho.

Abrir

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Central de Serviços

Consultas, solicitações e informações sobre seu plano.

Baixe nosso aplicativo

Boletos, Demonstrativo de IR, carteirinha e atendimento de um jeito prático.

Serviços úteis para você ter mais agilidade e segurança ao usar seu plano de saúde

Atendimento digital

Se preferir adicione (11) 4004-4400 no seu celular.

Dúvidas frequentes

Clique aqui e acesse as dúvidas mais comuns de nossos clientes.

Atendimento por telefone

Segunda a sexta: 7h às 22h

Sábados: 8h às 14h (exceto feriados)

4004-4400

(Capitais e regiões metropolitanas)

0800 016 2000

(Demais regiões)

SAC

Reclamações, cancelamentos e informações sobre a Qualicorp, 24h por dia, todos os dias.

Vendas

Comercialização de planos de saúde para você ou para sua empresa.

Para você

Planos de saúde para categorias profissionais.

Se preferir adicione (11) 3178-4000 no seu celular.

ou ligue para:

(11) 3178-4000

(São Paulo)

0800 777 4004

(Demais regiões)

Para Sua Empresa

Soluções para empresas de todos os tamanhos

Empresas até 199 vidas (PME Qualicorp)

Solicite uma cotação:

ou ligue para: (11) 3149-8305

Segunda a sexta: 9h às 18h
Para saber mais sobre as soluções PME, clique aqui.

Empresarial

Segunda a sexta: 7h às 22h

(11) 3146-1012

Para solicitar uma cotação ou conhecer melhor as soluções da Qualicorp para benefícios corporativos, clique aqui.