O que é a rubéola

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

O vírus da rubéola pertence à família do Rubivirus e é transmitido pelas gotículas de saliva eliminadas quando o portador do vírus ou da doença fala, tosse, espirra. Muitas vezes, o portador é saudável, mas carrega o vírus na garganta, excreta-o na saliva e transmite-o para outras pessoas. Rubéola é uma doença benigna e só em raríssimos casos ocorrem complicações.

Segundo o infectologista Jorge Amaranto, a maioria das pessoas que adquire o vírus da rubéola não adoece, mas desenvolve uma forma assintomática ou subclínica da infecção e transmite o vírus por algum tempo. Apenas cerca de 20% dos infectados desenvolvem sintomas. Os outros 80% são assintomáticos, apesar de estarem transmitindo o vírus.

Síndrome da Rubéola Congênita

A Síndrome da Rubéola Congênita (SRC) atinge o feto ou o recém-nascido cujas mães se infectaram durante a gestação. A infecção na gravidez acarreta inúmeras complicações para os recém-nascidos, como surdez, malformações cardíacas, lesões oculares, retardo mental e outras.

Isso porque o vírus da rubéola tem a capacidade de provocar alterações nos tecidos em formação. Então, quanto mais no início da gestação a mulher for infectada por ele, maior é o dano para a criança. Já nos últimos meses, o impacto tende a ser menor sobre o feto, explica o especialista.

O infectologista ressalta que existem técnicas para verificar a presença ou não do vírus da rubéola na circulação sanguínea ou no líquido amniótico. Esses exames permitem identificar a infecção e se existe algum dano instalado capaz de inviabilizar ou comprometer a qualidade de vida da criança.

Sintomas da rubéola

Os sintomas surgem entre 12 e 23 dias depois do contágio. O quadro clínico clássico caracteriza-se por erupção de pele muito semelhante à do sarampo. Em geral, elas aparecem primeiro na face e depois vão se disseminando de cima para baixo, tomam o tronco, os braços e, finalmente, as pernas.

Em geral, o primeiro sintoma a aparecer é a febre, que não ultrapassa 38º C. Mais nos adultos do que nas crianças, ela pode persistir por alguns dias antes da manifestação praticamente simultânea da erupção cutânea e dos gânglios inchados. Dores e o inchaço em pequenas articulações (mãos, punhos, cotovelos, joelhos) são mais frequentes nas mulheres, ainda não se sabe o motivo, diz o infectologista.

O comprometimento articular costuma ser o último sintoma a surgir. Em média, o quadro clínico dura não mais do que cinco a sete dias e a recuperação do paciente é completa.

Diagnóstico e tratamento da rubéola

A experiência clínica ajuda a reconhecer as características da erupção e a presença dos gânglios próprios da rubéola. Para confirmar o diagnóstico, porém, existe um teste sorológico para pesquisar a presença de determinados anticorpos.

Não existe uma droga especifica para o tratamento da rubéola. Sistematicamente, o organismo monta uma resposta de defesa que leva à inativação do vírus e a doença vai embora espontaneamente. Os sinais e sintomas apresentados devem ser tratados de acordo com a sintomatologia e terapêutica adequada.

Salvo os raríssimos casos de púrpura trombocitopênica em que se questiona o uso da aspirina, porque ela interfere na coagulação do sangue, não se conhece nenhum medicamento contraindicado para a rubéola.

Vacinação contra rubéola

A primeira dose deve ser aplicada aos doze meses de vida e o reforço entre quatro a seis anos de idade. Todas as mulheres e homens até 49 anos também devem ser vacinados, independentemente de história pregressa da doença.

Todas as mulheres que pretendem engravidar devem fazer o teste sorológico para saber como anda sua imunidade para a rubéola. Se ficar constatado que não são imunes, precisam tomar a vacina, que previne a síndrome da rubéola congênita.

Outras referências:
http://www.minhavida.com.br/saude/temas/rubeola
http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/svs/rubeola
http://www.bio.fiocruz.br/index.php/rubeola-sintomas-transmissao-e-prevencao

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Central de Serviços

Consultas, solicitações e informações sobre seu plano.

Baixe nosso aplicativo

Boletos, Demonstrativo de IR, carteirinha e atendimento de um jeito prático.

Serviços úteis para você ter mais agilidade e segurança ao usar seu plano de saúde

Atendimento digital

Se preferir adicione (11) 4004-4400 no seu celular.

Dúvidas frequentes

Clique aqui e acesse as dúvidas mais comuns de nossos clientes.

Atendimento por telefone

Segunda a sexta: 7h às 22h

Sábados: 8h às 14h (exceto feriados)

4004-4400

(Capitais e regiões metropolitanas)

0800 016 2000

(Demais regiões)

SAC

Reclamações, cancelamentos e informações sobre a Qualicorp, 24h por dia, todos os dias.

Vendas

Comercialização de planos de saúde para você ou para sua empresa.

Para você

Planos de saúde para categorias profissionais.

Se preferir adicione (11) 3178-4000 no seu celular.

ou ligue para:

(11) 3178-4000

(São Paulo)

0800 777 4004

(Demais regiões)

Para Sua Empresa

Soluções para empresas de todos os tamanhos

Empresas até 199 vidas (PME Qualicorp)

Solicite uma cotação:

ou ligue para: (11) 3149-8305

Segunda a sexta: 9h às 18h
Para saber mais sobre as soluções PME, clique aqui.

Empresarial

Segunda a sexta: 7h às 22h

(11) 3146-1012

Para solicitar uma cotação ou conhecer melhor as soluções da Qualicorp para benefícios corporativos, clique aqui.