Equidade racial nos postos de trabalho: uma necessidade

Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare
Grupo diverso de funcionários ilustra equidade racial nos postos de trabalho - Qualicorp

Em um momento de crise econômica e sanitária como a pandemia de coronavírus, desigualdades estão sendo escancaradas. A ocupação majoritariamente negra de empregos informais e cargos que fazem parte dos serviços essenciais evidenciou a falta de equidade racial no mercado de trabalho. E, como consequência, essa parcela da população enfrenta situações cotidianas de desvalorização profissional, exclusão e violência – o que apenas acarreta o não desenvolvimento da sociedade como um geral.

Os trabalhadores negros durante a pandemia de coronavírus

No mercado de trabalho, a diferença da ocupação de cargos entre brancos e negros se tornou ainda mais evidente quando ficar em casa foi uma necessidade. Durante a pandemia de coronavírus, 4,9 milhões de postos de trabalhos foram reduzidos – sendo que, em grande parte, eram ocupados por negros. Estes cargos se dividiam, em maior parte, entre trabalhadores da área do comércio, da construção e dos serviços domésticos, todas funções essenciais que não puderam cumprir a quarentena integralmente.

Apresença de trabalhadores negros é predominante em alguns setores, como Comércio, Limpeza Urbana, Segurança, Telemarketing e Construções. São também estes setores que estão realizando os maiores cortes de postos de trabalho durante a pandemia.

Desse cenário, é possível extrair um padrão: trabalhadores negros (o que inclui indivíduos pretos e pardos), quando empregados, ocupam posições com salários mais baixos que os recebidos por brancos e estão mais suscetíveis a adversidades.

Causas e números da falta de equidade racial no mercado de trabalho

A desigualdade racial não é um fenômeno exclusivo do mercado de trabalho, ela se dá também em outros setores da sociedade. Fruto do período da escravidão, em que negros tiveram sua mão de obra explorada, nunca houve um critério plausível para este tipo de exclusão.

A cor da pele foi motivo de séculos de violência contra a raça negra, que além de trabalhar em serviços essenciais desde aquela época, também sofreu com o exílio forçado de sua terra natal. Para além do período de escravidão, depois de libertos, os trabalhadores negros encontravam ainda dificuldade de inserção no mercado de trabalho, fato proveniente do racismo.

Isso se reflete até hoje. De acordo com dados da OXFAM de 2016, 80% das pessoas negras ganhavam até dois salários mínimos – sendo que 56% das mulheres negras não atingiam o valor de 1,5 salário mínimo mensal. A pesquisa também revela que, para cada trabalhador negro, há quatro trabalhadores brancos recebendo acima de 10 salários mínimos.

Neste ritmo, e frente às adversidades trazidas pela pandemia, a equidade racial nos postos de trabalho ocorrerá somente em 2089.

O que fazer?

Não há uma “receita” para resolver um problema tão complexo e que não é somente brasileiro. No mercado de trabalho, cada vez mais estão sendo implementadas cláusulas de promoção da equidade racial. Para isso, é necessário:

  • Programas de ações afirmativas do poder público, que auxiliam o processo de escolarização até a contratação de um profissional negro;
  • Transparência de dados dentro das empresas, para entender qual o perfil de trabalhador existente na companhia, compreender as dificuldades e exclusões presentes no quadro de funcionário e assim criar estratégias com foco na equidade racial;
  • Negociações coletivas entre sindicatos de trabalhadores e representantes de empresas;
  • Programas de diversidade dentro das empresas, sejam elas privadas ou públicas, que proporcionam valorização e capacitação dos funcionários;
  • Caso seja uma medida adotada pela empresa, é preciso compreender que as cotas não são uma quantidade fixa de funcionários negros dentro de uma equipe, mas sim o mínimo para que o quadro de trabalhadores seja diverso.
Compartilhe:
FacebookTwitterWhatsAppLinkedInShare

Central de Serviços

Consultas, solicitações e informações sobre seu plano.

Baixe nosso aplicativo

Boletos, Demonstrativo de IR, carteirinha e atendimento de um jeito prático.

Serviços úteis para você ter mais agilidade e segurança ao usar seu plano de saúde

Atendimento digital

Se preferir adicione (11) 4004-4400 no seu celular.

Segunda a sexta: 7h às 21h
Sábados: 8h às 14h

Segunda a sexta: 7h às 17h

Dúvidas frequentes

Clique aqui e acesse as dúvidas mais comuns de nossos clientes.

Atendimento por telefone

Segunda a sexta: 7h às 22h

Sábados: 8h às 14h (exceto feriados)

4004-4400

(Capitais e regiões metropolitanas)

0800 016 2000

(Demais regiões)

SAC

Reclamações, cancelamentos e informações sobre a Qualicorp, 24h por dia, todos os dias.

Vendas

Comercialização de planos de saúde para você ou para sua empresa.

Para você

Planos de saúde para categorias profissionais.

Se preferir adicione (11) 3178-4000 no seu celular.

ou ligue para:

(11) 3178-4000

(São Paulo)

0800 777 4004

(Demais regiões)

Para Sua Empresa

Soluções para empresas de todos os tamanhos

Empresas até 199 vidas (PME Qualicorp)

Solicite uma cotação:

ou ligue para: (11) 3149-8305

Segunda a sexta: 9h às 18h
Para saber mais sobre as soluções PME, clique aqui.

Empresarial

Segunda a sexta: 7h às 22h

(11) 3146-1012

Para solicitar uma cotação ou conhecer melhor as soluções da Qualicorp para benefícios corporativos, clique aqui.